Consultório Seminário: Av. Nossa Sra Aparecida,661 | (41) 3057-9443 Clínica 24h: R. Rockefeller, 566 | (41) 3333-7226
Emergência 24h (41) 3044-9301
Você conhece o risco da leptospirose em cães?
13 de março de 2019

Saiba um pouco sobre esta doença, seus sintomas e tratamento correto

 

A leptospirose canina é uma zoonose – capaz de passar dos animais aos humanos – tendo o risco de levar a óbito, tanto os bichinhos quanto as pessoas. A enfermidade é extremamente séria, devendo ser tratada desde os primeiros sintomas para não causar maiores danos.

Os gêneros de bactérias presentes nesta doença infecciosa são a Leptospira Canicola e a Leptospira Icterohaemorrhagiae, as quais pode infectar seu animal pela pele ou ingestão. Sua maior proliferação ocorre em meses de alta temperatura, podendo estar presentes em poças d’água e lamas, espalhando-se com facilidade pelas enchentes ocorridas com alta incidência no verão.

 

Sintomas e diagnóstico

Uma das maiores dificuldades em perceber a leptospirose é a quantidade de sintomas semelhantes a outras doenças e também, em alguns casos, à ausência de manifestações visíveis no seu cão. Isto ocorre devido à variedade de tipos da doença. Atente-se aos seguintes sintomas:

  • Vômito
  • Diarreia
  • Febre
  • Desidratação
  • Fraqueza e desânimo visível
  • Tremores e espasmos musculares
  • Dificuldade em urinar
  • Icterícia (cor amarela na pele e no branco dos olhos)
  • Sangue presente na urina e nas fezes do cão

O diagnóstico exato deve ser clínico, havendo três maneiras da leptospirose ser percebida.

  • Amostra de sangue do animal, identificando a presença de anticorpos específicos que combatem a doença.
  • Exame PCR (mede a dosagem da proteína C reativa, a qual caracteriza a fase aguda de processos inflamatórios e necróticos)
  • Análise da urina com o auxílio do microscópio

 

Leia mais:

Vai viajar? Tome cuidado com a leishmaniose canina

Quais são as causas e os sintomas da alergia nos cães?

O que você precisa saber sobre otite em cães e gatos

 

Tratamento

Certificada que a leptospirose está presente no seu cão, o tratamento deve ser iniciado imediatamente. São ministrados antibióticos de amplo espectro – como a penicilina e a estreptomicina – para tratar a infecção, além de fluidos intravenosos em caso de desidratação do bichinho.

Um dos maiores riscos que pode ocorrer é o dano renal e hepático, que deve ser cuidado com extrema prioridade. Se não for tratado de maneira correta, seu bichinho pode vir a óbito pela falência dos rins e do fígado.  

Prevenção

Sendo uma doença que afeta humanos e animais, a prevenção à doença é essencial para o bem-estar e a saúde de todos. Para os cães, o primeiro estágio da proteção pode advir da vacinação contra a enfermidade.

Além disto, a higienização é crucial para impedir o ocorrido, devido ao fato de não atrair ratos e outros animais que possam transmitir a leptospirose. Se for possível, evite viver em áreas em risco de alagamento, com condições sanitárias precárias e próximo a fazendas e animais silvestres.

 

BLOG

28 de outubro de 2019
Como oferecer uma alimentação natural para o seu cachorro

Trocar a ração por alimentos frescos traz diversos benefícios para o seu pet Quem busca uma vida saudável, já...

25 de outubro de 2019
Como cuidar de um cão com câncer? 

Atendimento especializado e dedicação são fundamentais para enfrentar a doença  Se o seu cãozinho de estimação foi diagnosticado com...

18 de outubro de 2019
Encontrou um pássaro ferido na rua? Saiba o que fazer! 

Alguns cuidados são essenciais para capturar e transportar o animal em segurança Você provavelmente já avistou um pássaro machucado...