Consultório Seminário: Av. Nossa Sra Aparecida,661 | (41) 3057-9443 Clínica 24h: R. Rockefeller, 566 | (41) 3333-7226
Emergência 24h (41) 3044-9301
De filhote a adulto: como lidar com a transição alimentar?
17 de janeiro de 2019

Antes do seu pet atingir a idade adulta, é necessário se preparar para que a transição alimentar seja fácil e sem nenhum tipo de problema

Geralmente, os cães e gatos atingem a idade adulta a partir do primeiro ano de vida. Nesse momento, será necessário realizar uma transição alimentar, pois as necessidades nutricionais mudarão e uma ração de filhote, por exemplo, não será capaz de supri-las.

Muitos donos acreditam que basta ir a um loja dedicada aos animais, encontrar uma ração para adulto, comprá-la e substituir a ração atual, de uma hora para outra. Porém, isso é um erro e essa atitude pode provocar algumas reações no animal.

Como lidar com a transição alimentar?

É importante entender que essa transição não é tão simples quanto parece. Ela precisa ser feita de forma progressiva para que o animal não sinta nenhum efeito do novo tipo de ração que está comendo.

Por conta disso, assim que o animal entrar na idade adulta, você deve pesquisar a melhor ração para ele, que seja de acordo com seu porte, características e necessidades especiais. Porém, como dissemos, não deve apenas trocar a alimentação, mas sim, ir misturando a ração de filhote com a de adulto pelo período de uma semana.

Mas qual proporção devo adotar?

Em geral, você pode adotar a proporção de 1 punhado de ração de adulto para 7 punhados de ração de filhote. Seguindo essa contagem, ao passo em que você aumenta a alimentação de adulto, diminui a ração de filhote. Lembrando que essa transição deve ser feita no período de uma semana.

Não se assuste caso o animal rejeite a ração nova nos primeiros dias, pois é normal que ele estranhe um pouco o gosto e a textura. Porém, é preciso insistir e continuar substituindo, aos poucos, a ração de filhote para a de adulto.

Por que não fazer a mudança de maneira repentina?

Você pode estar se perguntando: preciso mesmo fazer a substituição dessa maneira? A resposta é sim, essa é a melhor maneira de realizar a transição sem afetar o animal.

Isso porque a mudança brusca pode acarretar problemas no metabolismo dos animais, tais como diarreia, vômitos e dificuldade na assimilação dos nutrientes, o que deixará o animal fraco e desnutrido.

Caso você tenha algum tipo de dúvida sobre qual alimento dar ao animal, quais os nutrientes necessários ou se a substituição deve ter um tempo diferente do que apresentamos aqui, procurar o auxílio do veterinário do animal é fundamental, pois ele saberá responder essas perguntas e tornará a transição mais suave para o animal.

BLOG

28 de outubro de 2019
Como oferecer uma alimentação natural para o seu cachorro

Trocar a ração por alimentos frescos traz diversos benefícios para o seu pet Quem busca uma vida saudável, já...

25 de outubro de 2019
Como cuidar de um cão com câncer? 

Atendimento especializado e dedicação são fundamentais para enfrentar a doença  Se o seu cãozinho de estimação foi diagnosticado com...

18 de outubro de 2019
Encontrou um pássaro ferido na rua? Saiba o que fazer! 

Alguns cuidados são essenciais para capturar e transportar o animal em segurança Você provavelmente já avistou um pássaro machucado...